quinta-feira, 3 de março de 2016

Cidades Turísticas - CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO




O município de Canindé do São Francisco é o que fica mais distante da capital Aracaju, aproximadamente 210 kms. No entanto é o que tem um dos maiores potenciais turísticos do Estado. Com uma população aproximada de 28 mil habitantes numa área de 908,2 Km² é um dos maiores de Sergipe e destino procurado por 9 entre 10 turistas que nos visitam. A viagem até o município é uma aula de geografia política sergipana, uma vez que entre a capital Aracaju de onde partem a maioria dos passeios até a chegada no nosso destino, cruzamos 12 municípios, do litoral, passando pelo agreste até que finalmente atingimos o sertão sergipano, onde se localiza o municipío. Não deixem de observar as mudanças que a vegetação passa a medida que vamos adentrando o agreste e finalmente o sertão.

Em sua história, Canindé de São Francisco se divide em antes e depois da chegada da Hidrelétrica de Xingó na região. Por volta de 1936, às margens do Velho Chico, dois pequenos povoados se dividiam entre Canindé de Baixo e Canindé de Cima. O primeiro precisou ser desocupado para dar lugar à hidrelétrica. Uma cidade totalmente nova foi construída para abrigar a população que perdeu o seu espaço, inundado pelas águas represadas pela hidrelétrica. Obra que veio alavancar o turismo na região.

O lago formado pela barragem de Xingó criou um dos passeios mais deslumbrantes no sertão nordestino. E é para o lago da usina que somos todos atraidos.

O embarque nos catamarãs e escunas a partir do restaurante flutuante Karanka,'s nos levam para o melhor do passeio. Durante aproximadamente uma hora singramos as águas esverdeadas do lago de Xingó e nos deparamos com um dos mais belos cenários que o velho chico nos proporciona. O caniôn de Xingó é algo inesquecível, imagens que os turistas guardam certamente para o resto de suas vidas.
A parada para o banho no espaço denominado "paraíso do talhado" é o coroamento do nosso passeio em Xingó.

No retorno ao cais, sugerimos uma visita ao MAX - Museu de Arqueologia de Xingó. Lá está o resultado de um trabalho de muitos anos dos profissionais da arqueologia da Universidade Federal de Sergipe.
Na margem esquerda do velho chico temos a bela cidadezinha alagoana de Piranhas que ficou famosa por fazer parte da história que deu fim ao cangaço com a morte de Lampião, Maria Bonita e alguns dos seus companheiros de aventuras pela caatinga nordestina em 1938. Foi de lá que partiu a volante (grupo de policiais caçadores de cangaceiros) do tenente Bezerra que localizou e matou o famoso cangaceiro na Fazenda Angicos, município de Poço Redondo - SE