quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Conhecer Aracaju é um privilégio

Por Irma Karla*

Conhecer Aracaju é algo surpreendente. Uma cidade pequena, com aproximadamente 545 mil habitantes e que em 2008 o Ministério da Saúde reconheceu como a capital da qualidade de vida. Tal reconhecimento pode ser sentido através de algumas caminhadas pelas ruas da cidade.

A capital sergipana possui toda uma estrutura de capital, mas com um jeitinho de cidade do interior, onde as ruas não estão superlotadas de pedestres ou carros, o ar é puro e as pessoas se conhecem pelo nome, tratando os visitantes com alegria e cordialidade. Que tal fazermos um city tour para conhecer melhor essa encantadora cidade? A presença de um guia de turismo é fundamental para desvendar o passado misturado ao cotidiano.


Podemos começar pelo Centro Histórico, onde a proximidade de locais importantes para a história da fundação da cidade facilita a compreensão da configuração urbana de Aracaju e a evolução das ruas e bairros foi planejada a partir de “tabuleiro de xadrez”, com ruas cruzadas e quarteirões de fácil localização.



É caminhando pelo Centro, que rapidamente se encontram prédios do século XIX com muita história para contar. Alguns exemplos são os Mercados Municipais (Antônio Franco, da década de 20, Thales Ferraz, da década de 40, e Albano Franco, da década de 90) - (foto), o prédio do supermercado G. Barbosa, onde foi restaurada a parte frontal; o Hotel Palace – primeiro hotel do Centro, ao lado o Edifício Estado de Sergipe com 27 andares, popularmente conhecido por Maria Feliciana -, enfim história por todos os lados.

Seguindo um pouco mais adiante, em direção às antigas fábricas, hoje transformadas em Orlinha do Industrial, às margens do Rio Sergipe, lá apreciamos a beleza da segunda maior ponte urbana do País e a primeira do nordeste (1800m de extensão): a Ponte Aracaju/Barra. Bem, continuando nosso tour, seguimos mais a frente em direção ao Parque da Cidade – única reserva de mata atlântica de Aracaju, onde existe um passeio de teleférico de aproximadamente 25 minutos, com 45m de altura e um percurso de 630m.

De lá é possível fotografar os animais do zoológico que residem no Parque da Cidade (leão, urso pardo americano, araras, jacarés e macacos…). Ao chegar ao alto do mirante, encontramos a imagem de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da capital, e no retorno uma espetacular vista parcial de Aracaju.

Na saída do parque, iremos a Colina de Santo Antônio (antigo povoado Santo Antônio do Aracaju), local onde foi realizada a primeira missa na transferência da capital de São Cristóvão para Aracaju. Inclusive, o nome nossa cidade é originário do nome do povoado na época que, para sintetizar, significa “cajueiros dos papagaios”.



Saindo da Colina nossa próxima parada é a praça Olímpio Campos, situada no Parque Teófilo Dantas, onde está situada a Catedral Metropolitana(foto) , uma feirinha de artesanato com apoio da Prefeitura Municipal e ao lado um prédio histórico – o Centro de Turismo (posto de informações turísticas, museu do artesanato, venda de rendas, bordados e rendendê…).
Vale a pena visitar!


Após as compras, seguimos em frente e chegamos à praça Fausto Cardoso, onde encontramos mais dois prédios históricos: o Palácio do Governo e o prédio que hoje é sede da Delegacia do Ministério da Fazenda, um belo exemplo da arquitetura do período da formação da capital, construído para ser o palacete do Presidente da Província, o qual serviu de residência para Dom Pedro II e sua comitiva quanto da visita à Província de Sergipe Del Rey em 1860.



A praça é incrivelmente linda, foi reformada recentemente, possui coretos (foto) e abriga belíssimas palmeiras imperiais. Essa praça poderia ser chamada de Praça dos Três Poderes, porque lá concentram-se o Executivo (Palácio do Governo), Legislativo (Assembléia Legislativa) e Judiciário (Palácio de Justiça). Ao lado, temos o calçadão da Rua João Pessoa (inspirado em Curitiba e projetado por Jaime Lerner) e, em frente, temos a imponente Ponte do Imperador, construída para receber o Imperador D. Pedro II e sua esposa Tereza Cristina, em visita a capital em 1860.

Saindo do Centro, seguimos em direção ao sul, com destino às praias, passando pelo Calçadão da 13 de Julho, depois pelo primeiro shopping da cidade (Riomar), entre os rios Sergipe e Poxim. Em frente vamos chegar à praia de Atalaia e passar pelo Farol Off Shore (que significa além mar, por causa do nosso porto que está situado no município de Barra dos Coqueiros).



Ao chegar na praia de Atalaia, considerada a mais bonita do país, devido a inúmeros equipamentos de entretenimento e lazer, é possível encontrar: Centro de Cultura e Arte (foto), Feira da Aratip, Praça de Eventos, 12 quadras de tênis, pistas de skate, quadras de vôlei e futebol, kartódromo, e o oceanário, (administrado pelo Projeto Tamar, possui um formato de uma tartaruga, com 18 aquários e 03 tanques, sendo um deles reproduzindo o ambiente encontrado próximo das plataformas de petróleo). Só não se esqueça de ter sempre uma garrafinha d’água em mãos, pois o calor é intenso e as atividades são muitas.

Quem chega em Sergipe não pode deixar de sentir o encanto da terra benzida por um imenso sol, que insiste em brilhar durante todo o ano, por um grande litoral, cheio de belas praias. No litoral sul, na rodovia José Sarney, é possível encontrar locais com muita gente e barracas com toda a estrutura de atendimento, como nas praias de Robalo e Refúgio. Outra opção é curtir a sensação de ilha deserta, como no Mosqueiro.

Pôr do Sol

No Mosqueiro, além da praia, existe o povoado com o mesmo nome. Lá segue até o final do povoado e chega-se ao local onde está sendo construída a Orla Pôr do Sol, que será margeada pelos rios Santa Maria e Vaza-Barris. O pôr do sol no local é um espetáculo a parte. De lá também avista-se a nova ponte que está sendo construída – Ponte Joel Silveira -, interligando dois municípios: Aracaju e Itaporanga d’ Ajuda. Hoje a travessia de carros é por balsa.

Que tal voltar para a Rodovia José Sarney e desfrutar das delícias servidas nas barracas de praia? Acho que uma água de côco é uma boa idéia! Bem, nosso city tour por hoje acabou, mas…temos mais atividades para os dias seguintes, prepare-se e tenha bastante fôlego.No dia seguinte pegaremos um catamarã, barco ou lancha e seguiremos com destino ao Povoado Mosqueiro, localizado no rio Vaza-Barris, entre os municípios de Aracaju e Itaporanga d’ Ajuda.



No local está sendo erguida a Orla Pôr do Sol, com toda infraestrutura de entretenimento e lazer. O caminho percorrido já dá uma amostra das belezas que o visitante vai encontrar: manguezais nativos, pequenas ilhas fluviais e vegetação preservada, fazendo contraste com as belas mansões construídas às margens do rio. Durante o passeio, pode-se admirar o encontro do rio com mar e também uma pequena ilhota conhecida como Crôa do Goré (foto), que recebeu esse nome em homenagem póstuma a um amante da natureza e das águas, o Goré, pequeno crustáceo do habitat do manguezal.

Nos fins-de-semana, a Crôa atrai alguns visitantes em busca de lazer e sossego. Ainda durante o passeio, veremos a ponte Joel Silveira que será inaugurada agora no verão e será um marco importante para o turismo, pois interligará as praias do litoral sul (Caueira, Abaís e Saco) com a capital sergipana. Se fizer esse passeio no final da tarde, apreciará um lindo pôr do sol.

No terceiro dia pode-se fazer um circuito cultural: Museu do Homem Sergipano, Museu da Bandeira, Memorial de Sergipe (este último, administrado por uma universidade particular). À noite em Aracaju que tal conhecer a efervescência da Passarela do Caranguejo, na orla? Ali o famoso crustáceo da cidade chega em generosas porções e muitas vezes em promoção do “dobrado”, onde come-se o dobro e paga a metade. Bom, né? Temos outras opções noturnas como: Casa de Forró Cariri, Bar Coqueiral Bar Beer House, Casa da Dança de Salão – Romântica, boates: F1 Club e Live e, para o público GLS, temos a boate Clone Mix Show Bar.

Festas



Aracaju tem duas grandes festas durante o ano: Pré-Caju (20 dias antes do carnaval), Forró Caju (foto) e ainda o Arraial do Povo, ambos no mês de junho. Vem gente de todo país conhecer nossa cultura, o São João. Eu diria que: “Se Deus é brasileiro, São João é sergipano”. Eita festa boa!!! Todos os shows são gratuitos. Ainda no mês de janeiro, de 14 a 31, ocorre na Praça de Eventos da Orla da Atalaia, a Feira dos Municípios, promovida pelo Sebrae.

Reserve outros dias livres para conhecer outros destinos sergipanos, mas que, devido ao pequeno tamanho da capital, assim como o do Estado em si, favorece a integração das regiões no turismo. É possível partir de Aracaju em direção a maravilhosos passeios no interior sergipano, como na hidrelétrica de Xingó, na cidade de Canindé de São Francisco, que depois da capital é o segundo destino mais procurado.

Outro dia é possível ir à foz do São Francisco, na divisa com Alagoas, e depois conhecer as praias do Abaís e Saco em Estância, no litoral sul. Dá para estender o passeio um pouquinho mais e seguir de escuna ou lancha até Mangue Seco, terra de Tieta do Agreste, já no extremo norte da Bahia. Em todos esses passeios, é possível voltar com tranquilidade para Aracaju no mesmo dia.

Como diz o ditado: “A gente só ama, aquilo que conhece!” Portanto, você sergipano ou turista, pegue esse roteiro e vá em frente, tenho certeza que vai se surpreender!

Irma Karla - Presidente do Singtur/SE

Se precisar de um guia de turismo deixe um recado no comentário desta postagem que entro em contato com vc.

2 comentários:

teste disse...

Irma, gostamos muito de seus comentários sobre a agradável cidade de Aracaju, gostaríamos somente de acrescentar que a Orla de Atalaia tem um site e é o maoir portal de praia do Brasil: www.orladeatalaia.com.br

Diego Couto disse...

Muito bom o blog, parabéns!!!